Crédito à Habitação

O crédito à habitação é um contrato de empréstimo da instituição de crédito ao cliente, por um período de tempo previamente estabelecido e que pode ser utilizado para aquisição, construção e realização de obras em habitação própria permanente, secundária ou para arrendamento, bem como para aquisição de terrenos para construção de habitação própria.

Através do Crédito Habitação pode financiar a aquisição de:


 Habitação Própria Permanente;
 Habitação Própria Secundária ou para Habitação para Arrendamento;
 Garagens e arrecadações.

Adicionalmente poderá ter acesso a:


 Crédito para Troca de Casa;
 Crédito para Adiantamento de Sinal;
 Crédito para Adiantamentos em Fase de Construção;
 Linha de Crédito Permanente. 

  

Pode. Na situação de não ter rendimentos declarados do ano anterior, terá sempre que apresentar um documento comprovativo das finanças como não entregou IRS no último ano. Nestas situações é pedida apresentação de fiadores.

Euribor (Euro Interbank Offered Rate), que surgiu em 01/01/99, é a taxa oferecida pelos grandes bancos da zona do euro para aceitação de depósitos a diferentes prazos provenientes de outros bancos da mesma classe. Dado que todas as operações interbancárias nesta zona se realizam em euros, a taxa é cotada para essa moeda, mas é igualmente aplicável a qualquer das suas denominações, por exemplo, enquanto indexante.

Passos para solicitar um crédito habitação

Comprar casa é uma grande decisão que impacta as suas finanças a longo prazo. Por essa razão, a escolha do seu financiamento não pode ser tomada de ânimo leve. Em parceria com o comparador gratuito ComparaJá.pt, enumeramos quais os passos para colocar corretamente o seu pedido de crédito e como conseguir mais facilmente aprovação.


Passo 1. Simular e escolher o crédito          

A chave está em simular as várias ofertas dos diferentes bancos, de forma a comparar e perceber qual se adapta melhor à sua carteira. Após essa análise, só resta colocar o pedido à instituição.


Passo 2. Enviar a documentação exigida pela instituição bancária

Esta documentação servirá para o banco analisar o seu processo e proceder à avaliação do risco de forma a determinar se o pedido de crédito será ou não aprovado.

Certifique-se de que os seguintes documentos estão atualizados e em ordem, pois terá de fazer-se acompanhar dos mesmos no momento de solicitar um crédito habitação:

● Documentos de identificação - cartão de cidadão ou bilhete de identidade e cartão de contribuinte;

● Documentação Comprovativa de Rendimentos:

1. Funcionário público ou trabalhador por conta de outrem: fotocópia dos 3 últimos recibos de vencimento, extratos bancários (últimos 3 ou 6 meses), última declaração de IRS e nota de liquidação e declaração da entidade patronal a comprovar o vínculo contratual e a antiguidade na empresa.

2. Trabalhador por conta própria: fotocópia da última declaração de IRS e nota de liquidação, declaração de início de atividade ou certidão de registo comercial e fotocópia dos extratos bancários dos últimos 6 meses.

3. Pensionista: comprovativo da pensão ou fotocópia dos extratos bancários dos últimos 3 meses e fotocópia da última declaração de IRS e nota de liquidação.

● Documentação do Imóvel: escritura de compra e venda ou certidão do registo predial e caderneta predial urbana.


Passo 3. Aprovação

Em caso de aprovação, o banco tem de disponibilizar uma proposta das condições financeiras do financiamento. Essa proposta vem acompanhada da chamada Ficha de Informação Normalizada Europeia (FINE). Neste documento encontrará o conjunto de caraterísticas do contrato de crédito em questão.

Assim, na FINE pode encontrar discriminados o tipo de crédito (habitação, pessoal, automóvel, cartão de crédito e afins), o montante total de financiamento pretendido e o seu prazo, a modalidade de reembolso do empréstimo (prestações constantes, diferimento ou carência de capital), de que forma se pode proceder ao reembolso antecipado (ou seja, que comissões se pagam para amortizar capital antes do tempo) e o custo do crédito.

Poderá verificar nesta ficha quais as taxas de juro aplicadas (TAN e TAEG) e as comissões cobradas pelo banco (comissão de abertura, comissão de avaliação do imóvel, comissão de dossier, comissão de formalização e comissão de processamento de prestação), bem como as despesas notariais. 

Por fim, estão expostos os direitos do cliente, nomeadamente o de proceder à revogação do crédito num prazo de 14 dias e o de obter uma cópia do contrato para si, e, ainda, um plano financeiro do empréstimo. Numa tabela, são indicadas todas as prestações mensais até ao fim do prazo do empréstimo, com referência ao valor do seguro de vida e do seguro do imóvel, os juros a pagar, o valor do capital em dívida e o total de encargos correspondente ao montante total imputado ao consumidor (que é o valor final a pagar pelo empréstimo).

Passo 4. Avaliação do imóvel

A instituição bancária contratada procederá à avaliação do imóvel a ser financiado de forma a apurar o seu valor real e assim determinar a percentagem de financiamento que estará disposta a assumir. É importante perceber se pode fazer esta avaliação fora do banco.


Passo 5. Escritura da casa

Finalmente, o último passo corresponde à realização da escritura de compra e venda da habitação no Cartório Notarial ou na Conservatória do Registo Predial.


Fatores para ver o seu crédito aprovado

Há vários fatores que facilitarão a aprovação do seu pedido ao banco. Primeiro, como é óbvio, os bancos são mais propensos a emprestar dinheiro a alguém com um bom histórico de pagamentos noutros empréstimos. Isto mostra que tem maior probabilidade de cumprir o seu contrato de crédito habitação.

Além disso, os bancos olham para a estabilidade da sua situação profissional, sendo que o preferível é que tenha um contrato sem termo numa empresa financeiramente sólida e que esteja empregado há muito tempo na mesma. Isto constitui, à partida, uma segurança de que o risco de incumprimento é pequeno.

A taxa de esforço, que indica a percentagem do rendimento total do agregado familiar que é destinada exclusivamente ao pagamento de prestações mensais dos créditos contraídos, não deve ultrapassar os 30%. Se for muito elevada, estará a dizer ao banco que grande parte do rendimento é utilizado para pagar estas despesas e que lhe será difícil suportar o seu pagamento.

Outra forma de assegurar à instituição o pagamento é se arranjar um segundo titular. Assim, há a garantia de que, mesmo que um dos titulares fique sem emprego, por exemplo, haverá um segundo para assumir o esforço dos pagamentos, evitando que entrem em incumprimento. No caso de um casal que compra casa juntos considerar este ponto jogará a seu favor.

Finalmente, atente à sua conta à ordem e não deixe que o seu saldo fique negativo, especialmente de forma regular. Esta situação passará a imagem de que é um cliente inconstante e os bancos não apreciam isto. Este é indubitavelmente um fator de análise do risco do cliente. 

Listagens de Imóveis
Legalidade
Informações Úteis
Redes Sociais

 Copyright © QMI.pt 2020

Desenvolvido por Optimeios 

Primeira Página